Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.unifenas.br:8080/jspui/handle/jspui/232
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorSILVA, R. C.-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/5434705577898620por
dc.contributor.advisor1MOURA, Eliane Perlatto-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4613067362478614por
dc.contributor.referee1PEREIRA, A. A.-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5686872647547229por
dc.contributor.referee2MACHADO, M. G. P.-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/0846749704432277por
dc.date.accessioned2019-06-12T18:00:17Z-
dc.date.issued2019-02-28-
dc.identifier.citationSILVA, R. C. Fatores associados à qualidade de vida de estudantes de Medicina do Centro Universitário de Caratinga (UNEC)-MG. 2019. 69f. Dissertação (Programa de Mestrado em Ensino em Saúde) - Faculdade de Medicina, Universidade José do Rosário Vellano, Belo Horizonte, 2019 .por
dc.identifier.urihttp://tede2.unifenas.br:8080/jspui/handle/jspui/232-
dc.description.resumoIntrodução: A qualidade de vida dos estudantes de medicina há muito tempo tem sido objeto de atenção e pesquisas, uma vez que, devido ao estresse inerente ao curso, esta população é vulnerável a transtornos mentais que refletem na qualidade de vida. Conhecer a qualidade de vida, saúde mental geral dos estudantes de medicina e os fatores que possam estar associados a ela é fundamental para subsidiar ações que visem melhorias e aperfeiçoamentos do aprendizado dos estudantes de medicina. Objetivo: Avaliar a Qualidade de Vida dos estudantes de medicina do Centro Universitário de Caratinga (UNEC) e os fatores associados. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, transversal e quantitativo que foi conduzido através de questionário autorrespondido contendo questões sobre dados sociodemográficos, qualidade de vida (WHOQOL-abreviado) e saúde mental geral (QSG de Goldberg). A população foi constituída por estudantes do curso de medicina da UNEC-Caratinga, Minas Gerais – Brasil. Participaram deste estudo 94 estudantes de medicina divididos em 3 grupos, sendo o (G1) 1° ano com 32 alunos, (G2) 3° ano 30 alunos, (G3) 5° ano 32 alunos. Foram feitas análises descritivas, teste Qui-quadrado, Correlação de Pearson, teste t de Student e/ou Análise de Variância (ANOVA), análise de conglomerados foi estabelecido aos testes à significância estatística fixada em 5% de probabilidade. Resultados: Os dados sociodemográficos mostraram que 58,5% dos alunos eram do sexo feminino entre 19 e 24 anos, 80,8% eram solteiros e 61,7% eram da área urbana de Caratinga, sede do Centro Universitário. Não houve diferença significativa nos escores médios dos estudantes nos domínios do questionário de qualidade de vida e saúde mental geral, nos diferentes períodos do curso. Segundo a análise descritiva dos domínios, os alunos apresentaram qualidade de vida moderada com escores acima de 60, sendo que a variável “estado civil” influenciou o domínio de relações sociais (0,043 p>0,05), onde os solteiros tiveram maior escore que os alunos em outras situações. Identificou-se a três grupos com perfis de qualidade de vida distintos, sendo classificados como pior percepção da QV (25,5%), intermediária (30,9%), e melhor (43,6%). Observou-se correlação significativa entre a saúde mental geral (QSG) e os fatores de qualidade de vida, onde o pior estado da saúde mental geral vem acompanhado de uma pior qualidade de vida. A prevalência de transtorno mental menor detectado na amostra analisada foi de 41,5% entre os estudantes, onde os escores mais acentuados foram estresse psíquico (64,1%) e o menor foi o desejo de morte (39,8%). Conclusão: Os estudantes de medicina pesquisados têm uma boa percepção de sua qualidade de vida. Não houve influência significativa quanto ao período cursado pelos alunos de medicina, os solteiros apresentaram um resultado significativamente melhor em relação à percepção da qualidade de vida. A prevalência de transtornos mentais menores na população estudada foi alta, com predomínio de estresse psíquico.por
dc.description.abstractIntroduction: The quality of life of medical students has long been the object of attention and research, since, due to the stress inherent to the course, this population is vulnerable to mental disorders affecting their quality of life. Knowing about the medical students’ quality of life and general mental health, as well as the related factors, is critical to support actions improving the medical students’ learning process. Objective: Evaluating the medical students’ Quality of Life (and related factors) at the University Center of Caratinga (UNEC). Methodology: This descriptive, cross-sectional and quantitative study was conducted through a self-administered questionnaire containing questions on sociodemographic data, quality of life (WHOQOL) and general mental health (Goldberg’s QSG). The population consisted of medical students at UNEC-Caratinga, Minas Gerais, Brazil. A total of 94 medical students were divided into three groups, namely, G1 (1st year), with 32 students, G2 (3rd year), with 30 students, and G3 (5th year), with 32 students, who were analyzed through descriptive analysis, with the use of tools such as Chi-square test, Pearson’s correlation, Student’s t-test and/or Analysis of Variance (ANOVA). Cluster analysis was performed at the statistical significance of a 5% probability. Results: The sociodemographic data showed that 58.5% of the students were female, with ages varying between 19 and 24 years old, 80.8% of them were single and 61.7% from the urban area of Caratinga, where the University Center is located. There was no significant difference in the students’ mean scores under the domains of the quality of life and general mental health questionnaires, over the different course levels. According to the descriptive analysis of the domains evaluated, the students presented moderate quality of life, with scores over 60, and the variable “marital status” influenced the social relations domain (0.043 p> 0.05), wherein single students scored higher than non-single ones. Three groups with different quality of life profiles were identified, classified according to a lower (25.5%), intermediate (30.9%), and higher (43.6%) perception of QoL. A significant correlation was observed between general mental health (QSG) and quality of life factors, wherein a worse state of general mental health is associated with a lower quality of life. The incidence of minor mental disorder detected in the sample under analysis was of 41.5% among the students, of which the highest-scoring disorder was psychic stress (64.1%), and the lowest one death wish (39.8%). Conclusion: The medical students under analysis have a good perception of their quality of life. The course level (years of study) had no significant influence, and single students presented a significantly better result with respect to their perception of their quality of life. The incidence of minor mental disorders in the population under study was high, with a prevalence of psychic stress.eng
dc.description.provenanceSubmitted by Kely Alves (kely.alves@unifenas.br) on 2019-06-10T17:35:40Z No. of bitstreams: 1 Dissertação Railly.pdf: 5287822 bytes, checksum: b352081c537b6adb60d3a729b3fc8beb (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Kely Alves (kely.alves@unifenas.br) on 2019-06-12T17:40:48Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissertação Railly.pdf: 5287822 bytes, checksum: b352081c537b6adb60d3a729b3fc8beb (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Kely Alves (kely.alves@unifenas.br) on 2019-06-12T17:48:51Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissertação Railly.pdf: 5287822 bytes, checksum: b352081c537b6adb60d3a729b3fc8beb (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2019-06-12T18:00:17Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissertação Railly.pdf: 5287822 bytes, checksum: b352081c537b6adb60d3a729b3fc8beb (MD5) Previous issue date: 2019-02-28eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade José do Rosário Vellanopor
dc.publisher.departmentPós-Graduaçãopor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUNIFENASpor
dc.publisher.programPrograma de Mestrado em Ensino em Saúdepor
dc.relation.referencesADLAF, E. M. The prevalence of elevated psychological distress among Canadian undergraduates: findings from the 1998 Canadian Campus Survey. Journal of American college health, New York, v. 50, n. 2, p. 67-72, Sep. 2001. ALMEIDA FILHO, N. et al. Estudo multicêntrico de morbidade psiquiátrica em áreas urbanas brasileiras. Revista brasileira de psiquiatria, Brasília, v. 14, n. 13, p. 93-104, jul./set. 1992. ALVES, J. G. B. et al. Qualidade de vida em estudantes de Medicina no início e final do curso: avaliação pelo WHOQOL-bref. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 34, n. 1, p. 91-96, 2010. ANDRADE, L. H. VIANA, M. C. SILVEIRA, C. M. Epidemiologia dos transtornos psiquiátricos na mulher. Revista brasileira de psiquiatria, Brasília, v. 33, n. 2, p. 45-54, 2006. ANDRADE, A. G. et al. Fatores de risco associados ao uso de álcool e drogas na vida, entre estudantes de medicina do estado de São Paulo. Revista brasileira de psiquiatria, Brasília, v. 19, n. 4, p. 117-26, 1997. BAMPI, L. N. S. et al. Qualidade de Vida de Estudantes de Medicina da Universidade de. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 37, n. 2, p. 217-225, 2013. BERBER, J. S. S. KUPEK, E. BERBER, S. C. Prevalência de depressão e sua relação com a qualidade de vida em pacientes com síndrome da fibromialgia. Revista Brasileira de Reumatologia, [S.l.], v. 45, n. 2, p. 47-54, 2005. BORGES, L. O.; ARGOLO, J. C. T. Adaptação e validação de uma escala de bem-estar psicológico para uso em estudos ocupacionais. Revista Avaliação Psicológica, Campinas, v. 1, n. 1, p. 17-27, jun. 2002. BRAZEAU, C. M. et al. Distress among matriculating medical students relative to the general population. Academic Medicine, Philadelphia, v. 89, n. 11, p. 1520–1525, 2014. CARVALHO, H. W.; ANDREOLI, S. B.; JORGE, M. R. Saúde geral: evidências de diferenças relacionadas ao sexo. Revista Avaliação Psicológica, Campinas, v. 10, n. 2, p. 173-179, 2011. CATUNDA, M. A. P.; RUIZ, V. M. Qualidade de vida de universitários. Revista Científica do UNIFAE, São João da Boa Vista, v. 2, n.1, 2008. CERCHIARI, E. A. N. et al. Saúde mental e qualidade de vida em estudantes universitários. 2004, 243f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas). Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. 2004. CERCHIARI, E. A. N. et al. Prevalência de transtornos mentais menores em estudantes universitários. Estudos de Psicologia, Natal, v. 10, n. 3, p. 413-420, set./dez. 2005. CERQUEIRA, A. T. A. R.; LIMA, M. C. P. A formação da identidade do médico: implicações para o ensino de graduação em medicina. Revista Interface – Comunicação Saúde Educação, v.v6, n. 11, p. 107-16, ago. 2002. CHAZAN, A. C. S.; CAMPOS, M. R. Qualidade de vida de estudantes de medicina medida pelo WHOQOL-bref - UERJ, 2010. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 37, n. 3, p. 376-384, set. 2013. CHEN, K. H.; WU, C. H.; YAO, G. Applicability of the WHOQOL-Bref on early adolescence. Social Indicators Research, Prince George, v. 79, no. 2, p. 215-234, 2006. CHEHUEN NETO, J. A. C. et al. Qualidade de vida dos estudantes de medicina e direito. HU Revista, Juiz de Fora, v. 34, n. 3, p. 197-203, jul./set. 2008. COSTA, C. C. et al. Qualidade de vida e bem-estar espiritual em universitários de Psicologia. Revista Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 249-255, abr./jun. 2008. CRUZ, L. N. et al. Quality of life in Brazil: normative values for the Whoqol-bref in a southern general population sample. Quality of life research, Oxford, v. 20, n. 7, p. 1123-1129, 2011. DANTAS, R. A. S. SAWADA, N. O. MALERBO, M. B. Pesquisas sobre qualidade de vida: revisão da produção científica das universidades públicas do estado de São Paulo. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 11, n. 4, p. 532-538, ago. 2003. FACUNDES, V. L. D. Prevalência de transtornos mentais comuns em estudantes de área de saúde da Universidade de Pernambuco e sua associação com algumas características do processo ensino-aprendizagem. 2002. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002. (Não publicado) FACUNDES, V. L. D. LUDERMIR, A. B. Common mental disorders among health care students. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 27, n. 3, p. 194, 2005. FAYERS, P. M.; HAND, D. J. Causal variables, indicator variables and measurement scales: an example from quality of life. Journal of the Royal Statistical Society, [S.l.], v. 165, n. 2, p. 233-253, Jun. 2002. FEODRIPPE, A. L. O.; BRANDÃO, M. C. F.; VALENTE, T. C. O. Qualidade de Vida de Estudantes de Medicina: uma Revisão. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 37, n. 3, p. 418-428, 2013. FIEDLER, P. T. Avaliação da qualidade de vida do estudante de medicina e da influência exercida pela formação acadêmica. 2008. Tese (Doutorado em Ciências) - Faculdade de medicina, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008. FIOROTTI, K. P. et al. Transtornos mentais comuns entre os estudantes do curso de medicina: prevalência e fatores associados. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 59, n. 1, p. 17-23, 2010. FLECK, M. P. A. et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v.21, n.1, p. 19-21, 1999. FLECK, M. P. A. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação de qualidade de vida WHOQOL-bref. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 198-205, abr. 2000. FURTADO, E. S.; FALCONE, E. M. O.; CLARK, C. Avaliação do estresse e das habilidades sociais na experiência acadêmica de estudantes de medicina de uma Universidade do Rio de Janeiro. Revista Interação em Psicologia, Curitiba, p. 7, n. 2, p. 43-51, 2003. GIGLIO, J. S. Bem-estar emocional em estudantes universitários. 1976. 188f. Tese (Doutorado e Psiquiatria) –Faculdade de Ciências Médicas, Universidade de Campinas. Campinas, 1976. GOLDBERG, D. The detection of psychiatric illness by questionnaire. London: Oxford University Press, 1972. GORDIA, A. P. et al. Qualidade de vida: contexto histórico, definição, avaliação e fatores associados. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 3, n. 1, p. 40-52. 2011. HAIR, A. BLACK, T. Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. 593p. HANKINS, M. The reliability of the twelveitem general health questionnaire. BMC Public Health, London, v. 8, p. 355-361, Oct. 2008. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA. Cidades e estados: Caratinga. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg/caratinga.html>. Acesso em: 10 dez. 2018. JOHNSON, R.; BHATTACHARYYA, G. Statistics Principles and Methods. New York: John Wiley & Sons, 1986. 578p. LIMA, M. C. P.; DOMINGUES, M. S.; RAMOS, A. T. A. C. Prevalência e fatores de risco para transtornos mentais comuns entre estudantes de medicina. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 6, p. 1035-41, 2006. LIMA, L. S. et al. Sintomas depressivos nos estudantes de medicina da Universidade Estadual de Maranhão. Revista de neurociências, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 8-12, 2010. MENDONZA, M. R.; MEDINA-MORA, M. E. Validez de uma versión del Cuestionario General de Salud, para detectar psicopatologia em estudiantes universitários. Salud Mental, [S.l.], v. 10, n. 3, p. 90-97, 1987. MINAYO, M. C.; HARTZ, Z. M.; BUSS. P. M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 7-18, 2000. MONTGOMERY, D. C. PECK, E. A. Introduction to Linear Regression Analysis. New York: John Wiley & Sons, 1982. 504p. MONTGOMERY, D. C., Design and Analysis of Experiments, New York: John Wiley & Sons, 1991. 649p. MORENO, A. B. et al. Propriedades psicométricas do Instrumento Abreviado de Avaliação de Qualidade de Vida da Organização Mundial da Saúde no Estudo Pró-Saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 12, p. 2585-2597, 2006. PALMIERI, G. et al. Suicide intervention skills in health professionals: a multidisciplinary comparison. Archives of suicide research, London, v. 12, n. 3, p. 232–237, 2008. PARO, C. A.; BITTENCOURT, Z. Z. L. C. Qualidade de vida de graduandos da área da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 37, n. 3, p. 365-375, 2013. PASQUALI, L., et al. Questionário de Saúde Geral de Goldberg (QSG): adaptação brasileira. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 10, n. 3, p. 421-437, 1994. QUADROS, A. P. et al. Qualidade de vida de acadêmicos do curso de educação física do sexo masculino. Revista Científica JOPEF, Curitiba, v. 4, n.1, p. 51-54, 2006. RAMOS-DIAS, J. C. et al. Qualidade de vida em cem alunos do curso de Medicina de Sorocaba - PUC/SP. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 34, n. 1, p. 116, 2010. RIBEIRO, J. L. P. Inventário de saúde mental. Lisboa: Placebo, 2011. RIMMER, J.; HALIKAS, J. A.; SCHUCKIT, M. A. Prevalence and incidence of psychiatric illness in college students: a four-year prospective study. JACH, [S.l.], v. 30, n. 4, p. 207-211, 1982. ROBERTS, L. W. et al. Perceptions of academic vulnerability associated with personal illness: a study of 1,027 students at nine medical schools. Colllaborative Research Groups on Medical Student Health. Comprehensive psychiatry, Philadelphia, v. 42, n. 1, p. 1-15, 2001. ROCHA, E. S.; SASSI, A. P. Transtornos mentais menores entre estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 37, n. 2, p. 210-6, 2013. SANTOS, L. S. et al. Qualidade de vida e transtornos mentais comuns em estudantes de medicina. Cogitare Enfermagem, Curitiva, v. 22, n. 4, p. e52126, 2017. SAUPE, R. et al. Qualidade de vida dos acadêmicos de enfermagem. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 12, n. 4, p. 636-42, 2004. SEIDL, E. M. F.; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 580-588, 2004. SEGAL, B. E. Epidemiology of emotional disturbance among college undergraduates: a review and analysis. J. Nerv. Ment. Dis. 143:348-62, 1966. SIMEÃO, S. F. A. P. et al. Qualidade de vida de estudantes do ensino médio. Salsuvita, Bauru, v. 31. n. 2, p. 153-168, 2012. SILVA, R. R. et al. O perfil de saúde de estudantes universitários: um estudo sob o enfoque da psicologia da saúde. 2011. 90f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Maria, 2011. SOARES, D. F. G.; MOURA-FAICO, M. M. M. Transtornos mentais em estudantes de medicina. Caratinga; FUNEC EDITORA, 2010. 192p. TAVARES, J. Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez; 2001. TEMPSKI, P. et al. A questionnaire on the quality of life of medical students. Medical Education, Oxford, v. 43, n. 11, p. 1107-1108, 2012. VALLILO, N. G. et al. Prevalência de sintomas depressivos em estudantes de Medicina. Rev Bras Clin Med, v. 9, n. 1, p. 36-34, 2011. VOLTMER E. et al. Study-related health and behavior patterns of medical students: a longitudinal study. Medical Teacher, London, v. 32, n. 10, p. 422-8, 2010. WHOQOL GROUP. THE WORLD Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): Position paper from the World Health Organization. Social Science and Medicine, Oxford, v. 10, p. 1403-1409, 1995. ZONTA, R. ROBLES, A. C. C. GROSSEMAN, S. Estratégias de enfrentamento do estresse desenvolvidas por estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 30, n. 3, p. 147-53, 2006.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectQualidade de Vida. Estudantes de Medicina. Saúde Mental. Educação Médicapor
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::MEDICINApor
dc.titleFatores associados à qualidade de vida de estudantes de Medicina do Centro Universitário de Caratinga (UNEC)-MGpor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Mestrado em Ensino em Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Railly.pdfDocumento principal5,16 MBAdobe PDFView/Open ???org.dspace.app.webui.jsptag.ItemTag.preview???


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.