Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.unifenas.br:8080/jspui/handle/jspui/196
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorMendonça, Fernando Luiz de-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/2436850389838689por
dc.contributor.advisor1Dias, Ruth Borges-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/9975520760781554por
dc.contributor.referee1Moura, Eliane Perlatto-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4613067362478614por
dc.contributor.referee2Moura, Josemar de Almeida-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/2491724613187805por
dc.date.accessioned2018-07-31T14:22:13Z-
dc.date.issued2018-02-24-
dc.identifier.citationMENDONÇA, Fernando Luiz de. O estudante de medicina da Unifenas-BH, a especialização médica e o mercado de trabalho. 2018. 57f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Saúde) - Universidade José do Rosário Vellano, Belo Horizonte, 2018 .por
dc.identifier.urihttp://tede2.unifenas.br:8080/jspui/handle/jspui/196-
dc.description.resumoIntrodução: A escolha da especialidade médica e os conhecimentos sobre o mercado de trabalho são fundamentais para o sucesso profissional e um bom funcionamento dos serviços de saúde. Objetivo: Investigar os fatores que influenciam a escolha da especialidade e expectativas do acadêmico sobre as questões que envolvem o efetivo exercício da medicina e o mercado de trabalho. Metodologia: Foram aplicados questionários padronizados sobre fatores relacionados à escolha da especialidade médica aos estudantes de medicina do 9º ao 12º período do Curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano – UNIFENAS, Câmpus Belo Horizonte. Resultados: Foram aplicados 179 questionários, com público predominante de mulheres (64,8%). Os participantes são oriundos de todas as regiões do país. 84,1% concluíram o ensino médio em escolas particulares, e a renda mensal familiar era superior a R$ 9.000,00 em 69,9 % dos alunos. A maioria (84,4%) atuou em ligas acadêmicas; poucos (33,5%) realizaram estágios extracurriculares ou participaram de alguma pesquisa científica (25,7%). O momento de escolha das especialidades foi durante o internato (37,4%) e a maioria das rejeições ocorreu entre o 2º e 4º ano do curso (39,1%). Destaque para o percentual de alunos (21,2%) que já entram na escola com sua especialidade já definida. As mais escolhidas foram pediatria (16,2%) e cirurgia (14%). As mais rejeitadas também foram pediatria (37,4%) e cirurgia (31,8%). Os principais fatores apontados como influência na escolha: aptidão, forma de trabalho, rodízio satisfatório na especialidade e autonomia. Quando perguntados onde pretendem exercer sua profissão, responderam: consultório (79,9%), hospital privado (73,7%) e hospital público (66,5%). A maior parte dos alunos (52%) acha que vai trabalhar, por semana, entre 49 e 60 horas; com três vínculos de emprego (50,8%); ganhando, após cinco anos de formados, mais de R$ 20.000,00 (47,5%). A maioria (86%) se imagina trabalhando em plantões, por 14, 6 anos em média. 82,7% dos alunos afirmaram que, em nenhum momento do curso, tiveram informações sobre legislação trabalhista e 78,8% negam ter recebido informações sobre mercado de trabalho. 98,3% dos alunos gostariam que a faculdade ofertasse mais informações sobre especialidades médicas, mercado de trabalho e legislação trabalhista. Conclusão: O estudante de medicina escolhe sua especialidade por vários fatores, mas desconhece o mercado de trabalho. A escola não prepara o graduando para sua efetiva inserção no mundo profissional.por
dc.description.abstractIntroduction: The choice of a medical specialty and knowledge of the labor market are essential items for professional successfulness and the good functioning of the health services. Objective: To investigate the factors that influence the choice of specialty and the apprentice expectations on the issues that involve the effectiveness of practicing medicine and the labor market. Methodology: Standardized questionnaires on factors related to the choice of medical specialty were applied to medical students from the 9th to 12th periods at Jose do Rosario Vellano University – UNIFENAS, Campus Belo Horizonte. Results: 179 questionnaires were given, predominantly women (64.8%). Participants are from all regions of the country. 84.1% completed high school in private schools and the monthly family income was over R$9,000.00 in 69.9% of the students. The majority (84.4%) were involved in academic leagues; only a few (33.5%) did extracurricular internships or participated in some scientific research (25.7%). Choosing a medical specialty mostly occurred during the internship (37.4%) and most of the rejections occurred between the 2nd and 4th year of the course (39.1%). We highlight the number of students (21.2%) that already enters the school with a defined specialty. Most specialties chosen were pediatrics (16.2%) and surgery (14%) and the most rejected was also pediatrics (37.4%) and surgery (31.8%). The main factors identified as choice influences are: aptitude, work performance, satisfactory training in the specialty field and autonomy. When asked where they intended to practice their profession, they answered as follows: in a private office (79.9%), private hospital (73.7%) and public hospital (66.5%). Most students (52%) think they will work between 49 and 60 hours per week, with 3 different employers (50.8%); making more than R$20,000.00 (47.5%) after five years of practice. The majority (86%) imagine themselves working in shifts, on an average of 14.5 years. 82.7% of the students stated that at no point in their medical course, they had information on labor laws and 78.8% denied having received information about the labor market. 98.3% of the students would like the schools to offer more information on the medical specialties, labor market and labor laws. Conclusion: The medical student chooses his specialty for several factors, but he does not know the labor market. The school does not prepare graduates for the effective insertion in the professional world.eng
dc.description.provenanceSubmitted by Kely Alves (kely.alves@unifenas.br) on 2018-07-31T14:12:22Z No. of bitstreams: 1 Dissertação Fernando Mendonça.pdf: 2995559 bytes, checksum: d6d706f0d71822d6778e1ad38dbb4a20 (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Kely Alves (kely.alves@unifenas.br) on 2018-07-31T14:15:56Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissertação Fernando Mendonça.pdf: 2995559 bytes, checksum: d6d706f0d71822d6778e1ad38dbb4a20 (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Kely Alves (kely.alves@unifenas.br) on 2018-07-31T14:20:03Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissertação Fernando Mendonça.pdf: 2995559 bytes, checksum: d6d706f0d71822d6778e1ad38dbb4a20 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2018-07-31T14:22:13Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissertação Fernando Mendonça.pdf: 2995559 bytes, checksum: d6d706f0d71822d6778e1ad38dbb4a20 (MD5) Previous issue date: 2018-02-24eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade José do Rosário Vellanopor
dc.publisher.departmentPós-Graduaçãopor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUNIFENASpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Saúdepor
dc.relation.referencesBENNETT, K. L.; PHILLIPS, J. P. Finding, Recruiting, and Sustaining the Future Primary Care Physician Workforce: a new theoretical model of specialty choice process. Academic Medicine, Washington, v. 85, sup. 10, p. 81-88, Oct. 2010. BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde/MS. Dispõe sobre as Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília, 2012. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>. Acesso em: 24 set. 2016. ______. Ministério da Educação. Resolução Nº 3 de 20 De Junho De 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192> Acesso em: 24 set. 2016. CARVALHO, M. S.; SOUSA, M. F. Como o Brasil Tem Enfrentado o Tema Provimento de Médicos? Interface (Botucatu), Botucatu, v. 17, n. 47, p. 913-926, dez. 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832013000400012&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 24 set. 2016. CHAVES, H. L. et al. Vagas para residência médica no Brasil: onde é o que é avaliado. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 37, n. 4, p. 557-565, dez. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022013000400011&lng=pt_BR&nrm=iso>. Acesso em: 09 set. 2017. CLELAND, J. A. et al. A Survey of Factors Influencing Career Preference In New-Entrant And Exiting Medical Students From Four UK Medical Schools. BMC Medical Education, Rockville Pike, v. 14, p. 151, Jul. 2014. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Demografia Médica no Brasil 2015. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, 2015. ______. Resolução CFM Nº 2.162/2017. Aprova a relação de especialidades e áreas de atuação médicas aprovadas pela Comissão Mista de Especialidades. Brasília, 2017. Disponível em:<https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/br/2017/2162> Acesso em: 27 ago. 2017. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DE MINAS GERAIS. Jornal CRMMG, Belo Horizonte, n. 57, p. 4-5, 2015. Disponível em: <http://www.crmmg.org.br/jornalCRMMG> Acesso em: 24 set. 2016. CORSI, P. R. et al. Fatores que Influenciam o Aluno na Escolha da Especialidade Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 2, p. 213-220, Jun. 2014. COSTA, J. R. B. et al. A Transformação curricular e a escolha da especialidade médica. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 1, p. 47-58, mar. 2014. DORSEY, E. R.; JARJOURA, D.; RUTECKI, G. W. Influence of Controllable Lifestyle on Recent Trends in Specialty Choice by US Medical Students. JAMA, Chicago, v. 290, n. 9, p. 1173-11, 2003. ______. The influence of controllable lifestyle and sex on the specialty choices of graduating U.S. medical students, 1996-2003. Academic Medicine, Washington, v. 80, n. 9, p. 791-796, Sep. 2005. Disponível em:<http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16123455>. Acesso em: 25 ago. 2016. FERREIRA, R. A. et al. O Estudante de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais: Perfil e Tendências. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 224-231, set. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302000000300007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 set. 2016. FRANCO, C. A. G. S.; CUBAS, M. R.; FRANCO, R. S. Currículo de medicina e as competências propostas pelas diretrizes. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 2, p. 221-230, jun. 2014. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022014000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 set. 2017. GĄSIOROWSKI, J.; RUDOWICZ, E.; SAFRANOW, K. Motivation Towards Medical Career Choice and Future Career Plans Of Polish Medical Students Advances in Health. Sciences Education, [S.l.], v. 20, n. 3, p. 709-725, Aug. 2015. GIRARDI, S. N.; CARVALHO, C. L.; GIRARDI, L. G. Modalidades de Contratação e Remuneração do Trabalho Médico: os conceitos e evidências internacionais, 2007. Disponível em: <http://www.observarh.org.br/observarh/repertorio/Repertorio_ObservaRH/NESCON-UFMG/Modalidades_contratacao_trabalho_medico.pdf>. Acesso em: 24 set. 2016. GIBIS, B. et al. The career expectations of medical students: findings of a nationwide survey in Germany. Deutsches Ärzteblatt international, Cologne, v. 109, n. 18, p. 327- 332, May 2012. IBM SPSS: software estatístico. Versão 14.0. Washington, 2007. Disponível em: <https://www.ibm.com/analytics/us/en/technology/spss/>. Acesso em: 25 ago. 2017. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010 - Educação e Deslocamento. Rio de Janeiro, 2010. 205p. Disponível em:< http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_religiao_deficiencia/default_caracteristicas_religiao_deficiencia.shtm>. Acesso em: 09 set. 2017. JOHNSON, R.; BHATTACHARYYA, G. Statistics Principles and Methods. New York: John Wiley & Sons, 1986. LAMPERT, J. B. Tendências de mudanças na formação médica no Brasil. São Paulo: ABEM / Hucitec, 2002. Disponível em:< http://teses.icict.fiocruz.br/pdf/lampertjbd.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017. LUCCHETTI, A. L. G.; LUCCHETTI, G. Mercado De Trabalho Médico no Estado de São Paulo: Análise das Ofertas de Empregos Contidas no Site "Banco De Empregos Médicos" Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, Botucatu, v. 12, n. 2, p. 1-7, abr./jun. 2014. Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2014/v12n2/a4181>. Acesso em: 24 out. 2016. MACEDO, D. H.; BATISTA, N. A. O mundo do trabalho durante a graduação médica: a visão dos recém-egressos. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, p. 44 -51, 2011. MACHADO, M. H. (Coord). Os Médicos no Brasil: um retrato da realidade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1997. 244 p. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.7476/9788575412695> Acesso em: 24 set. 2016. MACIEL FILHO, R.; PIERANTONI, C. R. O Médico e o Mercado de Trabalho em Saúde no Brasil: revendo conceitos e mudanças. In: FALCÃO, A.; SANTANA, J. P.; SANTOS NETO, P. M. dos (Org.). Observatório de Recursos Humanos em Saúde no Brasil: estudos e análises. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. v. 2, p. 139-159, 2004. Disponível em:< http://www.obsnetims.org.br/uploaded/24_1_2014__0_Observatorio_volume_dois.pdf>. Acesso em: 24 set. 2016. MACIENTE, A. N. et al. A inserção de recém-graduados em engenharias, medicina e licenciaturas no mercado de trabalho formal. Revista Radar, Rio de Janeiro, v. 38, p. 7-22, abr. 2015. Disponível em:< http://ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/radar/150504_radar_38_cap2.pdf>. Acesso em: 03 set. 2017. MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549p. Disponível em:<http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=servicos-saude-095&alias=1402-as-redes-atencao-a-saude-2a-edicao-2&Itemid=965>. Acesso em: 10 set. 2017. NOBREGA-THERRIEN, S. M. et al. Formação para a Estratégia Saúde da Família na Graduação em Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 39, n. 1, p. 112-118, mar. 2015. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022015000100112&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 set. 2017. PÊGO-FERNANDES, P. M.; BIBAS, B. J. A Especialidade Médica e o Mercado de Trabalho. Diagnóstico e Tratamento, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 3-4, jan. 2011. Disponível em:<http://files.bvs.br/upload/S/1413-9979/2011/v16n1/a1869.pdf> Acesso em: 24 set. 2016. PRADO, J. D. Relações de trabalho entre a empresa hospitalar e o médico: uma discussão sobre a forma de contratação do profissional médico sem vínculo empregatício e suas consequências na qualidade dos serviços prestados. Revista ADMpg Gestão Estratégica, Ponta Grossa, v. 6, n. 1, p.53-59, 2013. Disponível em:< http://www.admpg.com.br/revista2013_1/Artigos/12%20Relacoes%20de%20trabalho%20entre%20a%20empresa%20hospitalar%20e%20o%20medico.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017. PUERTAS, E. B.; ARÓSQUIPA, C.; GUTIÉRREZ, D. Factors That Influence A Career Choice In Primary Care Among Medical Students From High-, Middle-, and Low-Income Countries: A Systematic Review; Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, v. 34, n. 5, p. 351-358, Nov. 2013. PURIM, K. S. M.; BORGES, L. M. C.; POSSEBOM, A. C. Perfil do médico recém-formado no sul do Brasil e sua inserção profissional. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 43, n. 4, p. 295-300, 2016. RODRIGUES, J. R. S. A Caracterização Da Relação De Emprego do Médico na Sociedade Contemporânea. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI, 23., 2014. Florianópolis. Trabalhos apresentados... Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=db0d4963149c89b0> Acesso em: 24 set. 2016. RODRIGUES, P. H. A. et al. Regulação do trabalho médico no Brasil: impactos na Estratégia Saúde da Família. Physis - Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 4, p. 1147-1166, out./dez. 2013. Disponível em:<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=400838271007>. Acesso em: 10 set. 2017. RIBEIRO, M. M. F. et al. A opção pela medicina e os planos em relação ao futuro profissional de estudantes de uma faculdade pública brasileira; Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 35, n. 3, p. 405-411, set. 2011. SCHEFFER, M. C.; CASSENOTE, Alex Jones Flores. La feminización de la Medicina en Brasil. Revista Bioética, Brasília, v. 21, n. 2, p. 268-277, agosto 2013. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-80422013000200010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09 set. 2017. SHADBOLT, N.; BUNKER, J.; Choosing General Practice: A Review of Career Choice Determinants; Australian Family Physician, [S.l.], v. 38, n.1/2 , p. 53-55, 2009. SINDICATO DOS MÉDICOS DE MINAS GERAIS. Sindicato e estudantes debatem Atenção Básica em Saúde. Jornal Trabalho Médico, Belo Horizonte, v. 7, n. 49, p. 10-12, nov./dez. 2013. Disponível em: <http://www.sinmedmg.org.br/arquivos/site/informacao/trabalho_medico/tm-janeiro-2014-n-49_.pdf>. Acesso em: 24 set. 2016. SOBRAL, D. T. et al. Escolha de Carreira em Medicina por Graduandos da Universidade de Brasília. Brasília Médica, Brasília, v. 37, n. 1/2, p. 8-13, 2000. SOUSA, I. Q.; SILVA, C. P.; CALDAS, C. A. M. Especialidade Médica: escolhas e influências. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 1, p. 79-86, mar. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022014000100011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 set. 2016. SOUZA L. C. L. et al. Medical specialty choice and related factors of brazilian medical students and recent doctors. PLoS One, [S.l.], v. 24, n. 7, p. e0133585, Jul. 2015. STAGG, P. et al. Are Medical Students Influenced by Preceptors in Making Career Choices, And If So How? a systematic review. Rural Remote Health, [S.l.], v. 12, n. 12, p. 1832, Jan. 2012. TAKEDA, Y. et al. Characteristic Profiles Among Students And Junior Doctors With Specific Career Preferences. BMC Medical Education, Rockville Pike, v. 13, p. 125, 2013. TIMI, J. R. R. Como Entrar no Mercado de Trabalho Após o Término da Residência Médica. Revista do Médico Residente/CRM-PR, Curitiba, v. 16, n. 1, p. 1-9, 2014. Disponível em: <http://www.crmpr.org.br/publicacoes/cientificas/index.php/revista-do-medico-residente/article/view/529> Acesso em: 24 set. 2016. UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO. Curso de Medicina. 2016. Disponível em: <http://www.unifenas.br/medicinabh.asp?pasta=+BH-MED-11> Acesso em: 24 set. 2016. WATTE, Guilherme et al. Componentes Determinantes na Escolha da Especialização em Novos Profissionais Médicos. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 193-195, jun. 2015. WEISSMAN, C. et al. Israeli Medical Students' Perceptions of Six Key Medical Specialties. Israel Journal of Health Policy Research, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 19, May 2013.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectEstudantes de Medicina. Especialidades Médicas. Mercado de Trabalho.por
dc.subjectMedical students. Medical specialties. Job marketeng
dc.subject.cnpqCIENCIAS DA SAUDE::MEDICINApor
dc.titleO estudante de medicina da Unifenas-BH, a especialização médica e o mercado de trabalhopor
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:Programa de Mestrado em Ensino em Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Fernando Mendonça.pdfDocumento principal2,93 MBAdobe PDFView/Open ???org.dspace.app.webui.jsptag.ItemTag.preview???


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.